11/05/2021

CÂMARA APROVA HOMENAGEM PELOS 120 ANOS DO BUTANTAN

O papel do Instituto na produção da vacina para o combate à Covid-19 foi exaltado pela vereadora Telma, autora da iniciativa

Diante de todos os ataques à ciência e à saúde pública, aliado à queda de investimentos nesse setor, a Câmara Municipal de Santos aprovou o Projeto de Decreto Legislativo 03/2021, que confere uma homenagem ao Instituto Butantan pelos seus 120 anos. A propositura é de autoria da vereadora Telma de Souza e passou pelo crivo do Legislativo nesta terça-feira (11). 

O Butantan celebrou a data no último dia 23 de fevereiro e a autora do projeto, que também preside a Comissão Parlamentar de Saúde, exaltou o papel da instituição no combate à Covid-19. “O Butantan teve origem como laboratório a partir de um surto da peste bubônica, que teve origem no Porto de Santos, em 1901”, relata a parlamentar.

Telma pontua que o Instituto é determinante para o enfrentamento à transmissão do novo coronavírus. “Vivemos a maior crise sanitária da história mundial, a pandemia de Covid-19. O desenvolvimento de uma vacina se transformou numa verdadeira corrida contra o tempo pela vida. Sem a pesquisa e a produção de milhões de doses realizadas pelo Butantan, não existiria um plano de imunização da população brasileira, diante da negligência do Governo Federal que negou a compra de vacinas e insumos”, afirma a ex-prefeita de Santos.

História
A trajetória do Instituto tem início a partir de uma crise sanitária originada no Porto de Santos, por um surto de peste bubônica. A Administração Pública Estadual criou um laboratório de produção de soro de combate à peste. Em fevereiro de 1901, o Butantan foi reconhecido como instituição autônoma, tendo sido seu primeiro diretor o médico sanitarista Vital Brazil, grande cientista e pesquisador biomédico brasileiro.

O Butantan teve papel de destaque no enfrentamento à gripe espanhola, entre 1918 e 1920. Já na década de 60, foi determinante o desenvolvimento da vacina oral contra a poliomielite. Atualmente, os laboratórios e fábricas do Instituto produzem 12 soros contra o envenenamento por diversas espécies de cobras, escorpiões, aranhas e lagartas, e contra difteria, tétano, botulismo e raiva e sete vacinas contra raiva, HPV, Hepatite A, Hepatite B, Influenza Trivalente, H1N1 e DTPa.

Leia também

SAÚDE, EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA: TELMA APRESENTA 110 DAS 200 EMENDAS AO ORÇAMENTO.

Ver mais

TELMA QUESTIONA RETORNO DOS SERVIDORES DE TRABALHO REMOTO ANTES DA SEGUNDA DOSE

Ver mais

TELMA COBRA INTERVENÇÕES ESTRUTURAIS NO CONJUNTO SANTOS “O”

Ver mais